Pesquisadores da Uerj desenvolvem fármaco a partir da semente do açaí para tratar transtornos de ansiedade

Uma fruta nativa da região amazônica, amplamente utilizada na culinária local, pode se tornar uma grande aliada em tratamentos para transtornos de ansiedade. Esta é a conclusão dos estudos empreendidos, desde 2014, pelo grupo de pesquisa Farmacologia Cardiovascular e Plantas Medicinais, do Instituto de Biologia Roberto Alcantara Gomes (Ibrag) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Em testes com animais, os pesquisadores descobriram que a semente do açaí age de maneira benéfica no sistema nervoso central, desempenhando uma ação ansiolítica.

A investigação desenvolvida na Universidade é inédita, pois a maioria das pesquisas trabalha com a polpa do fruto. A professora Angela de Castro Resende, coordenadora do grupo, explica que o extrato do caroço do açaí é mais rico em polifenóis do que o da polpa. “Tais substâncias são responsáveis por várias propriedades benéficas, como ações anti-hipertensiva e vasodilatadora, melhora da sensibilidade à insulina e do perfil lipídico e efeitos anti-inflamatório e antioxidante”, aponta a pesquisadora.

Por conta dos efeitos antioxidantes do extrato da semente, o grupo passou a investigar seu uso para o tratamento e prevenção de doenças neurodegenerativas. “Como a gente já tinha estudado amplamente esses efeitos do nosso extrato, começamos a imaginar que ele poderia também ter uma ação benéfica no sistema nervoso central”, explica Graziele Freitas de Bem, participante da pesquisa e professora do Ibrag. Um primeiro estudo buscou entender os impactos do extrato na depressão e, a partir daí, o grupo começou uma série de testes sobre seu efeito ansiolítico.

Pesquisadora prepara o extrato de semente de açaí em laboratório do Ibrag

Epidemia de ansiedade

O projeto Linhas de Cuidado, do Ministério da Saúde, compreende a ansiedade como uma resposta natural do organismo a situações adversas, desconhecidas e até imaginárias. É uma forma de reação que coloca a pessoa em estado de alerta e pode atuar como proteção. Entretanto, pode se tornar um transtorno quando se manifesta com muita frequência e por tempo prolongado, gerando sintomas físicos e comportamentais. Esse tipo de condição pode ser explicado por disfunções, inclusive bioquímicas, que interferem na capacidade de reação do indivíduo.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) apontou, em 2019, que cerca de 4% da população mundial sofria com transtornos de ansiedade. No Brasil, são ainda mais prevalentes, acometendo 9,3% da população. “Daria para considerar que há uma epidemia de ansiedade”, aponta Graziele de Bem. Somado a tais circunstâncias, há um crescimento exponencial no uso de psicofármacos para tratamento da doença. Uma pesquisa da Fiocruz, divulgada em janeiro de 2024, mostrou um aumento de 75,37% no uso desses medicamentos ao comparar períodos antes e após a pandemia de Covid-19.

Os números alarmantes reforçam a necessidade de encontrar alternativas para o tratamento da doença. Angela Resende acredita que o estudo com o extrato da semente do açaí é uma esperança. “Atualmente, os fármacos utilizados para o tratamento da ansiedade têm sérios efeitos adversos, o que não tem sido observado em nossas pesquisas”, ressalta a coordenadora. Graziele de Bem complementa: “O que vimos até agora, ao longo de todos esses anos estudando o extrato do caroço do açaí, foram pouquíssimos efeitos colaterais para além dos benéficos”.

Os testes que avaliam os efeitos do extrato da semente do açaí no tratamento da ansiedade vêm sendo feitos com ratos, em suas primeiras fases da vida, e os resultados encontrados até agora foram publicados na revista canadense “Applied Physiology, Nutrition, and Metabolism” em novembro de 2020. Diversas outras avaliações com o extrato também têm sido realizadas paralelamente e apontam respostas interessantes, como melhoria da função renal, prevenção à obesidade e à diabetes (tipos 1 e 2) e aumento da performance física.

 

Da extração aos resultados

Após o preparo, as sementes se tornam um pó que será diluído para os testes

O preparo do extrato não é simples e leva alguns dias. As sementes, comumente descartadas, são trituradas e colocadas em uma solução com 50% de água e 50% de álcool. Esse preparo é armazenado em um frasco escuro e fica em agitação por alguns dias, até que se faça a remoção total do álcool e da água. O resultado é um pó que será diluído em solução para os testes feitos com os animais. Esse extrato foi chamado de ASE, abreviatura da expressão açaí seed extract.

Para que atendessem ao modelo do estudo, os roedores passaram por situações de estresse na fase inicial da vida, que resultaram em comportamento ansioso na idade adulta. Com 76 dias de vida, eles foram separados em grupos e tratados, por via oral, com o ASE e com fluoxetina, medicamento comumente utilizado em tratamentos contra ansiedade, para efeitos comparativos. Os animais passaram, então, por avaliações comportamentais e bioquímicas.

Os testes de comportamento avaliaram a capacidade de resposta dos ratos quando colocados em situações adversas. Um deles foi o de campo aberto, quando os animais ficam soltos em uma pequena caixa retangular. A forma de locomoção neste espaço pode indicar um comportamento ansioso. Outro teste foi o de nado forçado, mostrando que os roedores com maiores indícios de ansiedade tentavam escapar do recipiente ou despendiam mais energia para se manter na superfície da água.

Foi realizada avaliação dos tecidos nervosos dos animais, com o objetivo de identificar a produção de hormônios e receptores que ajudam o organismo a regular a ansiedade. Os resultados dessa análise mostram que os animais considerados ansiosos tiveram aumento excessivo de concentrações do hormônio liberador de corticotrofina, substância essencial na reação dos roedores diante dessas situações. O tratamento com o ASE mostrou ser eficiente na reversão desses processos. “Isso demonstra que o extrato está reduzindo os efeitos da hiperestimulação do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HPA), o que indica uma maior capacidade de reagir a essas situações, diminuindo a ansiedade”, explica Graziela. “Estes achados inovadores indicam um grande potencial no tratamento e prevenção da ansiedade e de outras doenças, como as neurodegenerativas”, pontua Angela.

As professoras Cristiane Costa, Angela Resende, Graziele de Bem e Dayane Ognibene

Os próximos passos da pesquisa são garantir o registro e patenteamento do ASE, processo que já está em curso junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), com auxílio do Departamento de Inovação da Uerj (InovUerj); e iniciar os testes em seres humanos. Para isso, é necessário formalizar parcerias com representantes da indústria farmacêutica.

Esse e outros estudos desenvolvidos pela Uerj na linha da Farmacologia de Produtos Naturais contam com o apoio de agências de fomento, como o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Esta matéria foi originalmente publicada no portal www.uerj.br em 17/04/2024 pela Diretoria de Comunicação Social da UERJ (COMUNS).

Compartilhe esta notícia:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

Endereço
Rua São Francisco Xavier, 524 | Pavilhão João Lyra Filho | Bloco F, Sala T 031 – 20550-900, Maracanã, Rio de Janeiro RJ

Telefones
(21) 2334-0682 / (21) 2334-0683

E-mail
pr1@uerj.br

© 2024 PR-1 UERJ – Todos os direitos reservados

plugins premium WordPress
Pular para o conteúdo